As velhas certezas que sintetizavam o domínio do Partido Comunista durante o reinado de Mao Tsé-Tung foram, há muito, substituídas. Políticas mais liberais foram instituídas e a busca do lucro não é mais contrarrevolucionária, de forma que os empresários, há algum tempo, deixaram de ser vistos como inimigos do povo. No entanto, o Partido Comunista ainda está no poder e demonstra pouco apetite por qualquer reforma política apontada pelo Ocidente. A China de Hoje não ignora sistemas e abordagens de negócios modernos – mas os adequa, a fim de que recebam um tom, digamos, confucionista. E como seria isso? A seguir, exploraremos dez dos principais aspectos culturais que permeiam os negócios na China.

1. Os Relacionamentos. O Guanxi é a arma mais importante nos negócios administrados na China. Se você não tem Guanxi, você não tem nada. Guanxi significa relacionamento. Nesse sentido, muitas empresas estrangeiras quando decidem levar suas operações à República Popular da China, o fazem sob a forma de joint venture. Formar uma joint venture parece ser a maneira mais eficiente de desenvolver relacionamentos de boa qualidade em um país como a China. Não subestime a importância do processo de construção de relacionamento. As pessoas sentem-se confortáveis ​​em construir relacionamentos com pessoas honradas que demonstrem respeito àqueles a quem o respeito é devido.

2. A Hierarquia. Como seria de esperar, em uma sociedade confucionista, as estruturas operacionais, as cadeias de comando e o estilo de gestão tendem a ser hierárquicos e, a introdução de abordagens mais orientadas à matriz, pode levar a um conflito de expectativas. Tentar contornar a hierarquia quase sempre trará problemas ao fluxo de negócios. Considere que, na filosofia confucionista, todos os relacionamentos são considerados desiguais. O comportamento ético exige que essas desigualdades sejam respeitadas. Assim, o idoso deve receber o respeito do mais jovem. Essa abordagem confucionista deve ser vista como a pedra angular de todo pensamento gerencial e, portanto, questões como o empoderamento e o acesso aberto a todas as informações podem ser vistas pelos chineses como noções bizarras do Ocidente.

Tenha em mente que muitas pessoas na China – assim como em muitos outros países asiáticos – vêem a falta de observância de valores hierárquicos como a causa raiz dos problemas Ocidentais, sobretudo, a filosofia de que um indivíduo é mais importante do que o grupo ao qual pertence.

3. O Estilo de Gestão. Na China, o estilo de gestão tende ao diretivo, com o gerente senior dando instruções aos seus subordinados diretos que, por sua vez, passam as instruções ao longo da linha. Não se espera que subordinados questionem decisões superiores. O gerente deve ser visto como um tipo de figura paterna que espera e recebe lealdade e obediência dos colegas. Em troca, espera-se que o gerente tenha um interesse sincero no bem-estar desses mesmos colegas. Essencial observar que gerentes seniors, muitas vezes, mantêm relações estreitas com o Partido Comunista e que decisões são, corriqueiramente, examinadas pelo partido, como uma força invisível por trás de muitas situações corporativas.

4. As Reuniões de Negócios. Espera-se respeito pela idade, filiação partidária, pela história, pelas tradições etc. Levantar-se quando uma pessoa idosa entra na sala por exemplo ou, ainda, oferecer um assento de honra na mesa a um profissional senior, são bons exemplos. Os cartões de visita devem ser sempre mantidos em ambas as mãos ao trocar. É melhor que seu cartão seja impresso em chinês, ainda que no verso. Trate o cartão com muito respeito pois, para os Orientais, ele representa você. O aperto de mãos é a norma, mas um aperto de mão chinês tenderá a ser leve e persistente. Como é considerado falta de educação olhar as pessoas diretamente nos olhos, é costume olhar para baixo, abaixando os olhos como um movimento de respeito. As reuniões são geralmente longas e aparentemente sem objetivos claros. Muitas vezes, a reunião é um exercício de construção de relacionamentos e o objetivo da reunião é levar adiante o relacionamento, em vez de qualquer tarefa específica de negócios.

5. Os Presentes. A oferta de presentes é endêmica para a cultura chinesa e tem sido há milhares de anos. A doação e recebimento de presentes é parte do ritual de desenvolvimento de relações comerciais – e, em um país onde as relações são colocadas firmemente antes dos negócios, os presentes são, portanto, uma importante ferramenta de negócios. Um mero agradecimento por um favor feito é considerado rude pelos chineses. Evite presentes caros, já que poderiam ser confundidos com suborno, um crime grave. Os presentes são frequentemente recusados ​​duas ou três vezes antes de serem aceitos. Se visitar uma organização, leve um presente para todo o grupo. Sempre que possível, procure embrulha-los.

6. A Comunicação na China. A menos que você fale chinês, pode ser difícil fazer negócios em muitas partes da China sem a ajuda de um intérprete. Os níveis da língua inglesa são muito irregulares e, embora exista uma camada fluente de falantes, a camada é bastante fina. Não assuma a compreensão. Muitas vezes é útil passar por cima do mesmo ponto várias vezes de ângulos diferentes, a fim de auxiliar a compreensão. Uma das razões pelas quais a comunicação pode ser um problema na China é que, junto com muitos outros asiáticos, os chineses acham extremamente difícil dizer “não”. Dizer “não” causa tanto constrangimento quanto a perda da credibilidade e, é melhor, portanto, concordar com as coisas de maneira menos direta. Assim, qualquer coisa que não seja um “sim”, provavelmente signifique “não”. Tenha muito cuidado com frases como “Sim, mas pode ser difícil” e “Sim, provavelmente”. Os chineses também têm extrema dificuldade na transmissão de más notícias, por vezes, fazem uso de intermediários para tal. Não seja muito direto. Esforce-se pela diplomacia, consenso e harmonia. Lembre-se de que isso leva tempo para ser alcançado.

7. Linguagem Corporal. Geralmente, assim como os japoneses, os chineses usam uma quantidade limitada de linguagem corporal visual e, os ocidentais interpretam essa rigidez como falta de capacidade de resposta e emoção. A falta de linguagem corporal explícita não significa que os chineses não mostrem suas reações – mas que os ocidentais não são capazes de lê-lo, talvez, em função da divisão cultural.

8. Mulheres nos Negócios. Oficialmente, as mulheres têm os mesmos direitos que os homens no local de trabalho e o partido promoveu esse sentimento de igualdade nos últimos trinta anos. No entanto, o pensamento confucionista tradicional não se encaixa facilmente com essa noção de igualdade de gênero. As empresárias estrangeiras são tratadas com grande respeito e cortesia. Entretanto, em uma delegação, por exemplo, os Chineses podem direcionar atenção a profissionais do sexo masculino, independentemente das senioridades, em função da suposição de que os homens serão, naturalmente, os tomadores de decisão. Dito isto, é cada vez mais comum encontrar mulheres em papéis razoavelmente seniors em grandes organizações chinesas – especialmente nas cidades maiores e mais modernas.

9. A Aparência. Espera-se que as pessoas de sucesso pareçam bem-sucedidas. A riqueza é admirada. Por isso, se quiser impressionar, use roupas de boa qualidade, relógios etc. E esteja ciente dos caprichos do clima chinês, que variam do subtropical ao congelamento. Vista-se apropriadamente para as condições climáticas. Certifique-se de verificar as condições do tempo da cidade que você pretende viajar antecipadamente – a China é um lugar grande.

10. O Patriotismo. E, por fim, os chineses são patriotas. Não faça comentários depreciativos sobre a China, a situação política, os direitos humanos etc. Esse é sempre um bom lembrete!

Está pensando em fazer negócios com a China? A Braver é um parceiro estratégico na Ásia e oferece assistência de alto padrão em importação e exportação.

Author

A Braver é uma empresa brasileira especializada em comércio exterior e relações internacionais. Pioneira na aplicação do conceito de sustentabilidade aos negócios internacionais. Autoridade em trading, importação, exportação, outsourcing, internacionalização, branding, otimização tributária e projetos internacionais de alto desempenho.

Escrever Comentário