Quando você importa ou exporta, em toda a cadeia, desde a escolha dos seus fornecedores até a gestão da logística internacional, a emissão de CO2 na atmosfera é um fato. Para piorar, o dióxido de carbono compreende 74% das emissões de gases de efeito estufa, e é proveniente do uso de combustíveis fósseis, especialmente para a geração de eletricidade e calor, transporte e fabricação. Até onde vai a sua preocupação com o meio ambiente em suas operações internacionais? Como você compensa o dióxido de carbono gerado em suas operações de importação e exportação?

Quando você precisa fazer uma importação, independentemente do porte de sua empresa, a escolha do fornecedor é uma etapa muito importante. Ele precisa ser confiável, oferecer um produto de boa qualidade e um preço justo, certo?

Mas e quanto à responsabilidade socioambiental? Você alguma vez já perguntou ao fornecedor como funciona seu processo industrial? Como ele administra os recursos hídricos? Se há, por exemplo, a reutilização de água ou tratamento prévio antes do despejo nos rios? Ou se a energia da fábrica é de fonte renovável? Ou, ainda, se existe algum programa de consumo consciente?

Geralmente, essas perguntas não são feitas, sobretudo se sua empresa for de pequeno ou médio porte. Já as empresas de grande porte, por motivos diversos, tem cada vez mais observado/investigado esses temas, antes de bater o martelo na escolha de um fornecedor internacional. Mas, por que entender o grau de responsabilidade socioambiental dos fornecedores no exterior passa despercebido aos pequenos e médios empresários?

Investigar/supervisionar fornecedores no exterior requer tempo e recursos. Mas uma alternativa seria solicitar ao fornecedor certificações conduzidas/emitidas por empresas especializadas. Documentos oficiais podem passar maior tranquilidade ao importador e também estimularão o fornecedor a melhorar seus processos, caso ele ainda não seja elegível a nenhuma certificação. Esse tipo de postura movimenta positivamente toda a cadeia de negócio no exterior. As premissas são as mesmas quando pensamos em exportação.

Agora, quando a gente pensa em toda a logística dessas operações de Comércio Exterior, desde a coleta dos itens em seu fornecedor, até a entrega em sua empresa, como compensar a emissão de CO2, por exemplo, gerada pelos diferentes meios de transporte (caminhões, navios, aviões, trens etc.)?

Aqui na Braver, ao término de cada operação de importação ou exportação que gerimos, plantamos árvores em áreas de degradação ambiental no Brasil, para ajudar a compensar a emissão de CO2 gerada no projeto. Essa é uma iniciativa muito importante e que não traz custos adicionais para àqueles que contam com a Braver para gerir suas operações de importação e exportação. Ou seja, quando você escolhe a Braver, além da excelência técnica já conhecida, você ainda agrega responsabilidade socioambiental aos seus projetos, sem custo adicional. E você ainda consegue acompanhar a espécie plantada pela Braver e seu crescimento ao longo do tempo.

As árvores captam dióxido de carbono (CO2) da atmosfera, um dos gases que agravam o efeito estufa, ajudam a regular a temperatura, a evitar enchentes e a reduzir a erosão e a degradação do solo. Por tudo isso, o plantio de árvores é muito estratégico para o planeta.

A Braver é pioneira no Comércio Exterior sustentável. Além de iniciativas como esta, do plantio de árvores para compensar a emissão de CO2 gerada em importações e exportações, nós também gerimos projetos majoritariamente sustentáveis com atuação expressiva nos setores de energias renováveis, química verde, fitomedicamentos e plantas medicinais, máquinas e equipamentos, veículos elétricos e alimentos e bebidas funcionais.

Author

A Braver é uma empresa de classe mundial especializada em Comércio Exterior e Relações Internacionais. Autoridade em trading, importação, exportação, outsourcing, internacionalização, branding, otimização tributária e projetos internacionais de alto desempenho.