Tudo indica que os Estados Unidos acelerarão a implantação da tecnologia 5G. A FCC, entidade que regula o sistema de telecomunicação do país, acaba de simplificar o processo de licenciamento para projetos de infraestrutura sem fio (wireless). A expectativa é que esse movimento permita que a tecnologia 5G esteja disponível em todo o território Estado-Unidense mais rapidamente. A banda larga sem fio de quinta geração é uma evolução ao atual 4G, e promete ampliação expressiva da cobertura e melhoria profunda na velocidade de dados. Se você opera no exterior, já parou para pensar como é que a tecnologia 5G impactará seus negócios lá fora?

A AT&T será a primeira operadora de telefonia nos EUA a disponibilizar o 5G móvel, para 12 (doze) cidades, já no final de 2019.

É importante que você, que está acostumado com a tecnologia 3G e 4G, entenda o impacto que a banda larga de quinta geração terá em todo o mundo. A seguir, destacamos os 5 (cinco) principais aspectos que prometem uma revolução na maneira como nos conectamos.

Redução na Latência. Aparelhos conectados à tecnologia 5G terão reduzidos (ou eliminados) os delays nas trocas de informação online. A latência do atual 4G está na faixa de 40-50 milissegundos. O 5G, por sua vez, alcançará 1 milissegundo ou menos, o que é indetectável pelo usuário.

Velocidade. O 5G será, pelo menos, 100 (cem) vezes mais rápido do que o atual 4G, oferecendo uma velocidade de 10G por segundo. Trazendo esse dado à realidade, você poderá, por exemplo, fazer download de um filme (em alta definição) em menos de 10 (dez) segundos. Apenas à critério comparativo, na velocidade 4G, o tempo médio para a mesma atividade é de 10 (dez) minutos!

Capacidade Técnica. A tecnologia lidará melhor com muitos aplicativos de alta performance funcionando ao mesmo tempo.

Confiabilidade. O 5G é considerada uma tecnologia ultra confiável. Isso significa que a possibilidade de queda de conexão é mínima.

Bateria. Embora tamanha eficiência tenderia a consumir sua bateria mais rapidamente, o 5G foi configurado para estender a vida útil da bateria dos dispostivos em até 10 (dez) vezes.

De acordo com um estudo da Qualcomm, empresa Americana da área de telecomunicação, em 2035 o 5G poderia sustentar bens e serviços no valor de US$ 12,3 trilhões em setores como varejo, saúde, educação, transporte e entretenimento. A gigante avalia que a cadeia de valor 5G gerará receita de até US$ 3,5 trilhões e suportará até 22 milhões de empregos. A Qualcomm também previu que o 5G impulsionará o crescimento do PIB global em US$ 3 trilhões de 2020 a 2035, cumulativamente.

Um relatório da PSB Research, empresa Americana que atua com pesquisa de mercado, que computou opiniões de mais de 3.500 pessoas, apontou que a tecnologia 5G impactará a competitividade das empresas em todo o mundo.

Atualmente, empresas grandes investem pesado em tecnologia para minimizar as quedas de conexão e garantir uma comunicação fluída e eficiente. Os pequenos e médios, sobretudo por falta de recursos, não têm essa vantagem. Nesse sentido, o 5G equilibraria as relações corporativas entre pequenos, médios e grandes. Essa equidade nos negócios, favorecerá os melhores.

A tendência é que seja aberto um caminho onde os recursos dos competidores de grande porte, destinados a conectividade, velocidade e processamento de informação, não farão tanta diferença aos pequenos e médios, que passarão a gozar da mesma qualidade de serviço de dados. De maneira que, ao consumidor final, a qualidade dos produtos e/ou serviços oferecidos é o que será determinante na tomada de decisão.

Segundo a Qualcomm, o 5G ainda “catapultará” o celular para se tornar uma “tecnologia de propósito geral” equivalente à eletricidade e ao carro, transformando a economia e muitos setores industriais. A tecnologia já é vista como uma ferramenta imprescindível à quarta revolução industrial (também denominada Indústria 4.0).

Espera-se, também, que o trabalho remoto ganhe mais espaço no dia a dia, inclusive, de empresas que ainda insistem em administrações mais tradicionais. Mais um exemplo de inovação nos negócios por meio do 5G seria o desenvolvimento de tecnologias interativas de realidade virtual, por meio das quais, os clientes poderiam interagir com recursos audiovisuais dinâmicos. A projeção holográfica 5G, por exemplo, permitiria que os usuários visualizariam vídeos em 3D, sem a necessidade de óculos 3D. Trazendo essa ferramenta para o dia a dia das empresas, seria possível gerir reuniões, conferências e eventos com apresentações em 3D.

No Brasil, o 5G pode não sair do papel tão cedo. O presidente da Anatel – Agência Nacional de Telecomunicações, pretende administrar um leilão de faixas de frequência compatíveis com a rede 5G apenas em março de 2020. O leilão ofereceria às operadoras o direito de explorar as frequências do 5G. Mas, a partir dai, as empresas ainda precisariam montar uma estrutura para oferecer o serviço aos clientes.

Uma das muitas vantagens do Comércio Exterior está na aquisição contínua de conhecimento, sem qualquer barreira geográfica. Quem opera no mercado internacional, tem acesso a novas tecnologias, no momento em que elas são disponibilizadas. De portas abertas ao conhecimento, você tem mais chances de transformar positivamente seu negócio e se posicionar estrategicamente frente a sua concorrência. Em um mundo cada vez mais integrado/conectado, a internacionalização surge como uma estratégia (de longo prazo) mandatória para qualquer negócio.

O que você está esperando? Tenha um profissional de Comércio Exterior ao seu lado e prepare-se, pois o futuro é 5G.

Author

A Braver é uma empresa brasileira especializada em comércio exterior e relações internacionais. Pioneira na aplicação do conceito de sustentabilidade aos negócios internacionais. Autoridade em trading, importação, exportação, outsourcing, internacionalização, branding, otimização tributária e projetos internacionais de alto desempenho.

Escrever Comentário